Leitura da Semana

Acesse mais leituras e mensagens de D. John Main e D. Laurence Freeman:

Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Séries de Palestras

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Calendário de Eventos

perfil john

Meditação: uma maneira de libertar Deus no mundo

Extraído de THE HEART OF CREATION: Meditation: a way of setting God free in the world de John Main OSB (Norwich: Canterbury, 2007), pgs. 10, 11.

A meditação, e a constante volta a ela todos os dias de nossa vida, se assemelha a abrir caminho em meio à realidade. Uma vez que conheçamos nosso lugar, começamos a ver todas as coisas sob uma nova e brilhante luz, porque nos tornamos quem realmente somos. E, ao nos tornarmos quem somos, podemos ver todas as coisas como elas são e, assim, começar a ver todos os outros como são. . . . Através da prática e da experiência, aprendemos a maneira de nos enraizarmos em nosso ser essencial. Aprendemos que estarmos enraizados em nosso ser essencial é estarmos enraizados em Deus, o autor e o princípio de toda realidade. E, não é pouca coisa, essa entrada na realidade, tornarmo-nos o que é real, tornarmo-nos o que somos, porque nessa experiência somos libertados de todas as imagens que constantemente nos assolam. Não precisamos ser nenhuma das imagens que outros fazem de nós, mas simplesmente a pessoa que somos. […]

A meditação é exigente. Precisamos aprender a meditar quer estejamos dispostos ou não, quer esteja chovendo ou nevando, ou se o sol estiver brilhando. . .ou quaisquer que tenham sido as experiências daquele dia. Na visão cristã da meditação, a perspectiva que ganhamos pelas palavras de Jesus, descobrimos a realidade do grande paradoxo que ele ensina: se queremos nos encontrar, devemos estar preparados para nos perder. Isso é precisamente o que fazemos quando meditamos. Nos encontramos porque estamos preparados a abrir mão de nós mesmos, a nos lançarmos nas profundezas que logo se mostram ser as profundezas de Deus. […]

Reflita sobre as seguintes palavras da primeira carta que João escreveu acerca da jornada da vida de cada um:
Nosso tema é do Verbo da vida – porque a Vida manifestou-se:nós a vimos e dela vos damos testemunho e vos anunciamos esta Vida eterna, que estava voltada para o Pai e que nos apareceu - o que vimos e ouvimos vo-lo anunciamos para que estejais também em comunhão conosco. E a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo. . . Esta é a mensagem que ouvimos dele e vos anunciamos: Deus é luz e nele não há treva alguma. (1Jo 1, 1-5)

Como cristãos, somos chamados a adentrar essa luz e, assim, deixar para trás todas as trevas. O caminho para essa luz é o caminho da humildade no silêncio; o caminho do mantra.

 

original em inglês:

An excerpt from John Main OSB, THE HEART OF CREATION: Meditation: a way of setting God free in the world (Norwich: Canterbury, 2007), pp. 10, 11.

Meditation and the constant return to it, every day of your life, is like cutting a pathway through to reality. Once we know our place, we begin to see everything in a new light because we have become who we really are. And becoming who we are, we can now see everything as it is and so begin to see everyone else as they are. . . .We learn through the practice and from the experience how to be rooted in our essential being. We learn that to be rooted in our essential being is to be rooted in God, the author and principle of all reality. And it is no small thing to enter reality, to become real, to become who we are, because in that experience we are freed from all the images that so constantly plague us. We do not have to be anyone’s image of ourselves, but simply the real person we are. [. . . .]

Meditation is demanding. We must learn to meditate whether we feel like it or not, whether it is raining or snowing, or the sun is shining. . .or whatever kind of day we have had. In the Christian vision of meditation, a perspective gained from the words of Jesus, we find the reality of the great paradox he teaches: if we want to find our lives we have to be prepared to lose them. In meditating, that is exactly what we do. We find ourselves because we are prepared to let go of ourselves, to launch out into the depths which soon appear to be the depths of God. [. . . .]

Reflect on these words from the first Letter of St. John in relation to your life’s journey:

Our theme is the word of life. This life was made visible; we have seen it and bear our testimony; we here declare to you the eternal life which dwelt with the Father and was made visible to us. What we have seen and heard we declare to you, so that you and we together may share in a common life, that life we share with God. . . Here is the message we heard from him and pass on to you: God is light and in him there is no darkness at all. (1 Jn. 1:1-5)

It is our call as Christians to come into that light and so to leave utterly behind all darkness. The way to that light is the way of humility in silence; the way of the mantra.

 

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.