Leitura da Semana

Acesse mais leituras e mensagens de D. John Main e D. Laurence Freeman:

Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Séries de Palestras

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Calendário de Eventos

perfil john

A Glória de Cristo

John Main OSB, WORD MADE FLESH (Norwich: Canterbury Press, 2009), pgs. 22-23.

Os principais mestres da fé do Novo Testamento, Paulo, Pedro e João, consideram que o poder de Jesus seja a sua “glória” e vêem isso como sendo nada mais, nada menos, do que a luz que brilha através de todo o universo. E, o que é mais extraordinário, ela também brilha em nossos corações. Trata-se de pura consciência. Trata-se de absoluto amor. É algo de Deus. A meditação é o caminho para a exposição mais profunda a esse poder, luz e glória, de que somos capazes nesta vida. Porém, quem quer que se interesse pela meditação deveria compreender desde o início que, uma vez que esse poder comece a se manifestar e essa luz comece a brilhar intensamente em nossos corações, nos transformamos. Ao nos tornarmos nós mesmos, nunca mais seremos os mesmos. [...] Poderíamos dizer que a glória de Jesus é resultado de sua pura receptividade e total exposição ao amor de Deus. [...] Essa exposição simples e radical demanda disciplina e fidelidade: o tipo de fiel disciplina que praticamos todos os dias ao retornarmos à nossa palavra.
Na fidelidade, aprendemos a fé. Aprendemos a nos dirigir ao escuro, essa expansão de consciência que encontramos além da pequena ilha iluminada por nosso ego. Aprendemos a nos dirigir ao silêncio, onde não há som, e a nos aprofundarmos cada vez mais no silêncio do mistério de Deus. Na meditação aprendemos a coragem de nos lançarmos às profundezas. Dessas profundezas se origina o poder e a glória da ressurreição. Aqui está a nova vida que Deus devolveu a Jesus, e que o coloca eternamente na divina aura da glória. Uma vez que o penetramos, o mistério que renova nossa ligação com a vida é o de que nós, pessoas muito comuns, devemos nos transformar em Cristo.

 

original em inglês:

An excerpt from John Main OSB, “The Glory of Christ” in WORD MADE FLESH (Norwich: Canterbury Press, 2009), pp. 22-23.

For the key teachers of faith in the letters of the New Testament, Paul, Peter and John, the power of Jesus is his “glory” and this is seen as nothing less than the light that shines through the whole universe. Most extraordinarily it also shines in our hearts. It is pure consciousness. It is absolute love. It is of God. Meditation is the way to the most profound openness to this power, light and glory of which we are capable in this life. But anyone interested in meditation should understand from the outset that once this power begins to have its way and this light begins to shine undimmed in our hearts, we are transformed. In becoming ourselves we are never the same again. [. . . .] We could say that the glory of Jesus is the result of his pure receptivity and total openness to the love of God. [. . . .] Such radical and simple openness requires discipline and fidelity: the kind of faithful discipline we practice each day in returning to our word.

In faithfulness we learn faith. We learn to go into the dark, that expanse of consciousness which lies beyond the little island lit by our ego. We learn to go into the silence where there is no sound and to go ever deeper into the silence of the mystery of God. In meditation we learn the courage to launch out into the deep. From those depths come the power and the glory of the resurrection. Here is the new life given back to Jesus by God that places him in the divine aura of glory forever. His new life, glory and power---all words struggling to express the dimensions of love--are ours. The mystery that renews our hold on life once we enter it is that we, very ordinary people, are to be transformed in Christ.

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.