Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Calendário de Eventos

Venerando nos nossos Corações

O mundo em que vivemos está em mudança. Como sabemos, os impérios nascem, têm grandes períodos de poder e depois sucumbem. A lição da história é que quando eles de desmoronam, fazem-no muito rapidamente. A sabedoria é a capacidade de identificar o que perdura, o que resiste, o que é importante. A comunidade dos primeiros cristãos compreendeu claramente que cada um de nós possui, já nesta vida, um princípio eterno dentro de nós, algo nos nossos corações que permanece por toda a eternidade – o Senhor Jesus -.

Da Primeira Carta de S. Pedro:

Quem vos poderá fazer mal se fordes zelosos do bem? Se padecerdes alguma coisa por causa da justiça, felizes de vós! Não temais as suas ameaças nem vos deixeis perturbar, mas venerai Cristo Senhor nos vossos corações. (1 Pedro 3 13-15)

“Venerai Cristo Senhor nos vossos corações”

Para viver bem as nossas vidas, não precisamos de nos deprimir pelo facto de o mundo estar em mudança, de as civilizações sucumbirem. Nem pelo facto de o mundo ser, muitas vezes, um sítio altamente caótico. Como sabemos, há tanta confusão, há tantas pessoas confusas e nós próprios, de vez em quando, experienciamos esse caos e essa confusão dentro de nós. Mas o desafio de cada um de nós e de cada ser humano, é encontrar no mundo real, que é esse mundo caótico, esse mundo em mudança, encontrar nesse mundo real a paz verdadeira, a ordem exacta e uma harmonia que fará sentido de entre todas as vozes competindo pela nossa atenção.

Mais uma vez, a comunidade dos primeiros cristãos viu muito claramente e por experiência própria que o próprio Jesus é o caminho para a ordem, para a harmonia e para a paz. E Ele é o caminho, porque nos conduz à harmonia vibrante da própria Trindade, à ordem, à ordem suprema baseada no amor supremo: Pai, Filho e  Espírito Santo.

O caminho da meditação não é um caminho de fuga. Sobretudo, não é um caminho de ilusão. Nós nem tentamos escapar ao mundo real dos fins obscuros e começos caóticos, nem tentamos construir uma realidade própria alternativa e ilusória. O que Jesus nos promete é que se o venerarmos nos nossos corações, se acreditarmos nele e naquele que o mandou, seu Pai e nosso Pai, então todo o caos e toda confusão do mundo não têm poder real sobre nós. Os stresses, as tensões, os desafios, todos permanecem, mas não têm poder de nos derrotar se fundámos as nossas vidas na rocha que é Cristo.

Este é o trabalho real. É o desafio real que cada um tem que enfrentar: entrar na realidade que é Cristo, a rocha sobre a qual podemos construir as nossas vidas com a confiança absoluta de que Ele nos vai amar com os nossos erros e hesitações, em todos os momentos da nossa vida, até ao último momento, porque ele é supremo Amor.

 É por isso que S. Pedro nos fala da importância de venerar o Senhor Jesus nos nossos corações. Enraizados nele estamos enraizados no princípio de toda a vida, na própria realidade. E fundados nele, nada mais tem poder real sobre nós, nem a própria morte. O desafio é encontrar o nosso caminho em direcção a ele, encontrar o caminho em direcção ao nosso próprio coração para aí o podermos venerar.

O caminho da meditação é um caminho de aprender a morrer para a ilusão, para toda a não-realidade. É o caminho de aprender a elevarmo-nos com Cristo, acima de nós próprios, das nossas limitações, para a vida eterna. E fazê-lo agora, hoje; não adiar a vida eterna para quando chegarmos ao céu. O reino de Deus está entre nós agora, e temos que estar abertos a ele porque, como diz S. Pedro, temos que, no Espírito, vivificarmo-nos com a vida de Deus. Como cristãos nunca devemos desejar menos do que isso. A nossa vida cristã não é apenas uma questão de ir através das nossas vidas. Cada palavra do Novo Testamento sugere-nos que é de suprema importância que vivamos as nossas vidas num estado de contínua expansão, expansão do coração, expansão do espírito, crescendo no amor, ficando mais firmemente enraizados em Deus. Todos temos que compreender o nosso potencial, que estamos num universo em expansão e que possuímos um  potencial de energia – expansão – que não é menos do que infinito.

S. Pedro diz-nos na mesma carta: “viver uma vida em ordem, fundada na oração” e diz-nos “manter ao máximo o nosso amor uns pelos outros”. Este é o caminho da meditação: acolher essa força vital, essa fonte de energia e de poder, de modo a vivermos a nossa vida em todo o seu potencial. E fazemos isto venerando o Senhor Jesus nos nossos corações.