Leitura da Semana

Acesse mais leituras e mensagens de D. John Main e D. Laurence Freeman:

Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Reflexões da Quaresma

Segundo Domingo da Quaresma

D. Laurence Freeman

Segundo domingo da Quaresma 2016

Não se trata simplesmente de mudança, mas de Transfiguração. Houve um momento em que o seguidores mais próximos de Jesus a vislumbraram nele, embora não saibamos como se deu exatamente este momento histórico.

Leia mais...

Sábado da primeira semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

Sempre que não estamos tratando de superficialidades tendemos à verborréia. Quando começamos a falar a respeito do inefável, tornamo-nos como um pregador que sabe que está ministrando um mau sermão, mas não consegue parar. Ele continua a cavar a própria cova na tentativa desesperada de se redimir e de salvar a própria reputação.

Leia mais...

Sexta-Feira da primeira semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

Ocasionalmente, não frequentemente, num estado de meio-sonhando alguém pode ver a resposta para tudo. Chega como uma surpresa, mas principalmente esse alguém vê quão simples e óbvia ela é.

Leia mais...

Quinta-Feira da primeira semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

No ensinamento espiritual nós estamos acostumados a ouvir que o desejo, todo desejo, deve ser transcendido. Nós podemos aceitar isso pois faz algum sentido. Mas nós também adiamos o fatídico dia quando transcenderemos o desejo e cairemos, sem desejo, no chão, como um pedaço de pano usado ou um saco vazio. "Senhor, faça-me casto," rezou Santo Agostinho, "mas não agora."

Leia mais...

Quarta-Feira da primeira semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

Após descrever sua experiência mística mais importante, sobre quando foi levado ao terceiro céu (“...seja no corpo ou fora dele, eu não sei...” 2 Cor 12, 2), São Paulo então diz que foi dado a ele como que um espinho na carne, para que não se enchesse de orgulho. Era como que um incômodo, presumivelmente, que o lembrava de que estava mesmo no corpo e ainda sujeito a suas limitações e contradições.

Leia mais...