Laurence Freeman, OSB - WCCM
"O Poder da Atenção." - Leitura de 02/05/2010
Laurence Freeman OSB, Perder para Encontrar (São Paulo: Vozes, 2008).
Tradução de Roldano Giuntoli
 

Sempre houve um grande perigo, porém, em nossa sociedade auto-consciente e narcisista, aquele que nos afeta hoje de modo especial, é o de confundirmos a verdadeira interioridade com auto-análise, auto-fixação. A grande dominância da mágoa psicológica e da alienação social, exacerbam esse perigo, ao passo que demandam suave tato e compaixão, no seu tratamento... A verdadeira interiorização é o oposto da introversão. Ao nos conscientizarmos da presença interior, nossa consciência se volta, se converte, de maneira a não mais estarmos... nos olhando, na antecipação ou na recordação de sentimentos, reações, desejos, idéias, ou fantasias. Todavia, estamos nos voltando para algo diferente. E, isso para nós é sempre um problema.

Pensamos que nos seria mais fácil sair da introspecção, caso soubéssemos para o que é que nos estaríamos voltando. Se ao menos tivéssemos um objeto fixo para o qual pudéssemos olhar. Se ao menos Deus pudesse ser representado por uma imagem. Todavia, o verdadeiro Deus nunca pode ser uma imagem. As imagens de Deus são deuses. Fazermos uma imagem de Deus nos levará apenas a olhar para uma imagem remodelada de nós mesmos. A verdadeira interiorização, a abertura dos olhos do coração, significa vivermos a visão sem imagens que é fé, e que é a visão que nos permite “ver a Deus”.

Na fé, um novo Espírito controla a atenção, não mais os espíritos do materialismo, da busca de si, e da auto-preservação, porém, o ethos da fé, que por sua natureza não é possessivo. Ele sempre dá liberdade e, renuncia continuamente às recompensas da renúncia, que são muito grandes, e por isso faz-se ainda mais necessário que sejam devolvidas... Podemos vislumbrá-lo, simplesmente puxando pela memória aqueles momentos ou fases da vida em que experimentamos o mais elevado nível de paz, satisfação e felicidade e, reconhecendo que aqueles não foram períodos em que possuímos algo, mas, em que nos perdemos em algo ou em alguém. O passaporte para o Reino precisa do carimbo da pobreza. [...]

Ainda assim, o aprendizado para nos centrarmos no outro é uma disciplina, trata-se de um discipulado e significa uma ascese. Não há nada mais difícil do que aprender a tirar a atenção de nós mesmos... Todos temos uma exagerada tendência a deixar que a nossa atenção vagueie, que se desvie de volta à auto-consciência, ao apaixonamento por si mesmo e à distração. Há então, uma simples verdade a ser descoberta. Quando a atenção está em Deus, com a visão da fé, todas as coisas nos revelam Deus. Sempre que nossa atenção está em nós mesmos, na cegueira imaginativa do ego, todas as coisas nos distraem de Deus.

Essa disposição de nossa atenção sempre nessa visão de fé, parece-nos ser um desafio exigente, até nos darmos conta de que é precisamente para isso que fomos criados.

Medite por Trinta Minutos
Sente-se confortavelmente, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxado mas atento. Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a como quatro silabas de igual duração Ma-ra-na-tha, em ritmo lento. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense nem imagine nada - nem de ordem espiritual nem de qualquer outra ordem. Se pensamentos e imagens afluírem à mente, trate-os como distrações e simplesmente retorne à repetição da palavra. Mesmo que você esteja distante fisicamente de outros meditantes, você está unido à eles no Espírito. Reserve meia hora toda manhã e toda tarde para os seus períodos de meditação. É uma boa idéia meditar no mesmo local tranqüilo e horário, se possível. Dessa forma seus períodos de meditação se tornam uma parte muito natural do seu dia. Seja generoso com seu tempo, seja fiel ao mantra, e compartilhe esta união silenciosa que nos une a todos, em Espírito.

 
 
Comunidade Mundial de Meditação Cristã