WCCM

"Estar Presente Agora "- Leitura de 12/08/2012
John Main, DOOR TO SILENCE: An Anthology for Christian Meditation (London: Canterbury Press, 2008), pgs. 82-83. Tradução de Roldano Giuntoli

 

SCaso estejamos verdadeiramente atentos ao mantra, não conseguimos imaginar a Deus.  Não conseguimos engendrar nenhuma idéia ou ícone de Deus.  Nesse contexto da mais pura atenção, da mais pura fé, aprendemos que todas as imagens, idéias, recordações e palavras estão aquém da realidade sobre a qual estamos prestando atenção.  Elas não são reais.  Elas são ilusão. Assim, na meditação, nos damos conta que Deus não é uma recordação ausente ou um sonho abstrato.  Deus é.


Na simplicidade e na fidelidade da prática, conhecemos a Deus, não como uma entidade da qual pensamos, imaginamos, falamos ou analisamos, mas, como toda a realidade.  Seguir adiante, encontrar a Deus na mais pura atenção, é conhecer e ser conhecido por Deus.  Conhecer é amar.  Ser amado é ser conhecido.  Ser amado por Deus é amar a Deus.  Precisamos nos despojar de todos os processos intermediários.  Todas as imagens, pensamentos e linguagem, devem ir embora.
A prática simplificadora da repetição do mantra, nos ensina a prestar total atenção diretamente ao que é. 

Prestar total atenção ao Uno que, pessoalmente, é.  De modo a nos prepararmos para isso, aprendemos a disciplina da atenção conscienciosa.  Aprendemos a disciplina da abnegação, de não pensarmos em nós mesmos.  Para não sermos enredados em uma teia de nossa própria tessitura auto-reflexiva. Para que não sejamos presa de circunstâncias externas.  Para vivermos, porém, a partir das profundezas de nosso próprio ser, a partir das profundezas do próprio ser.


A meditação é uma disciplina da presença.  Por meio da imobilidade do corpo e do espírito, aprendemos a estar completamente presentes a nosso ser, a nossa situação, a nosso lugar.  Não se trata de uma fuga.  Por meio do enraizamento em nosso próprio ser, tornamo-nos presentes à sua fonte.  Nos enraizamos no próprio ser.  Através de todas as circunstâncias cambiantes da vida, nada poderá nos abalar.


O processo é gradativo.  Demanda paciência.  E, fidelidade.  E, disciplina.  E, humildade.
A humildade da meditação, é a de colocar de lado todo questionamento cheio de si. Colocar de lado a presunção, significa nos sentirmos pobres, despojados do ego, à medida que aprendemos como ser.  Estar presentes à presença.  Aprendemos, não da nossa própria inteligência, mas da própria fonte da sabedoria, do Espírito de Deus.

 

Medite por Trinta Minutos
Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.


 
 
Comunidade Mundial de Meditação Cristã