Dom Laurence Freeman, OSB - WCCM
"Repetindo o Mantra" - Leitura de 13/12/2009
Jesus O Mestre Interior (S. Paulo: Martins Fontes, 2004) pgs. 297-299.
Tradução de Roldano Giuntoli
 

O mantra… é recitado continuamente, seja lá o que estejamos sentindo: "em tempos de guerra e em tempos de paz," como disse A Nuvem do Não-Saber; " em tempos de prosperidade e adversidade," como afirmou João Cassiano; "do começo ao fim de cada meditação," como, por sua vez, dizia John Main. Com a prática, o mantra aprofunda suas raízes em nosso ser, estabelecendo harmonia entre o consciente e o inconsciente. Imperceptível e gradualmente, ele se aprofunda da cabeça para o coração. Com o passar do tempo, repetimos o mantra, em seguida o ressoamos e, por fim, o ouvimos com menos esforço e mais atenção.

Naturalmente existem dias de turbulência ou períodos de aridez na meditação, quando nos parece quase impossível repetir o mantra. Procuramos qualquer justificativa para não sentar e meditar. Quando o fazemos, o mantra imediatamente se dissolve pelas ondas do pensamento e da emoção. Mas se perseverarmos ou recomeçarmos, como a semente da parábola, que cresce no ventre escuro da terra (como, não sabemos, disse Jesus), o mantra nos guia fielmente ainda mais para o fundo. Com a profundidade vem a clareza, a tranqüilidade, o autoconhecimento, a grande dádiva da compaixão e a calma interior necessária para uma atenção cada vez mais completa, uma mais generosa transcendência. Imperceptivelmente, o mantra progride através dos interstícios da quietude, entre as ondas do pensamento e da vida interior.[...]

Com o tempo, ela nos leva à pobreza autêntica, com a qual aprendemos simplesmente a ser. Experimentar esta adorável realidade ocasionalmente capacita-nos a suportar muitos reveses e desapontamentos ao longo do caminho. Haverá períodos de derrota e desapontamento. Mas, mesmo quando nos parece estarmos regredindo, o crescimento está acontecendo caso haja fé em ação. Na noite mais escura, uma luz invisível ainda brilha.

Uma atitude de desprendimento e confiança se desenvolve e substitui a ganância e o medo. Com isto, nos chega uma paz cada vez mais inabalável. Subjacente a toda a turbulência, essa paz flui do conhecimento de que somos conhecidos e, uma vez reconhecida, torna-se condição de todo crescimento posterior.

Medite por Trinta Minutos
Sente-se confortavelmente, mas com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxado mas atento. Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a como quatro silabas de igual duração Ma-ra-na-tha, em ritmo lento. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense nem imagine nada - nem de ordem espiritual nem de qualquer outra ordem. Se pensamentos e imagens afluírem à mente, trate-os como distrações e simplesmente retorne à repetição da palavra.

 
 
Comunidade Mundial de Meditação Cristã