WCCM

"A Plenitude de Deus" - Leitura de 14/10/2012
John Main OSB, MOMENTO DE CRIST0 (São Paulo: PAULUS, 2004)

Como todos nós sabemos, a partir da própria e triste experiência, nos distraimos muito facilmente. O amor de Deus é outorgado a cada um de nós de maneira gratuita, generosa e universal. O amor de Deus flui em nossos corações em uma torrente poderosa.  Porém, assim como Marta, na narrativa do evangelho, estamos todos tão ocupados, com tantas coisas.  Precisamos aprender, e é absolutamente necessário que aprendamos,  que uma coisa apenas é necessária, porque uma única coisa é.  Todos nós devemos, portanto, cuidar de nossa própria falta de disciplina.  Precisamos imobilizar nossa mente irrequieta.  Uma das primeiras grandes lições que aprendemos sobre humildade, é a de quando nos damos conta que, ;e apenas por um presente de Deus que chegamos à sabedoria e à imobilidade e, passamos para além da distração.  A prece Dele é Seu presente para nós e, tudo que precisamos fazer é nos tornarmos disponíveis, sendo que podemos fazer isso ao silenciarmos, diante da infinitude de Deus. 


É como se o mistério de Deus fosse um maravilhoso diamante multifacetado.  Quando falamos ou pensamos em Deus, é como se estivéssemos reagindo a uma ou outra faceta, porém, quando estamos silentes, o que equivale a dizer “na presença de Deus”, reagimos ao mistério que todos chamamos Deus, como um todo. . .  A maravilha disso é que é o nosso todo que reponde à totalidade do mistério de Deus. Não é apenas nosso intelecto, não apenas nossas emoções, não apenas nosso lado religioso ou, nosso lado mundano. Tudo o que somos reage a tudo o que é. . . Essa é a experiência da prece Cristã. [. . .] 


As pessoas freqüentemente perguntam, “Como é a experiência da prece?”  Querem talvez dizer: “O que acontece?  Como ela é?”  É como o silêncio.  E o que acontece?  No silêncio, a paz.  No silêncio, a presença.  E, silêncio mais profundo.  O caminho para esse silêncio requer muita paciência, muita fidelidade e, em nossa tradição meditativa, requer que aprendamos a repetir o mantra.  Assim como disse João Cassiano, o mantra contém tudo o que a mente humana pode exprimir e, tudo o que o coração humano pode sentir.  Essa única e pequena palavra leva e, nos conduz, ao silêncio, que é o silêncio da energia criativa.  Não nos importa quanto tempo isso leva para acontecer.  “Para o Senhor, mil anos são como um dia.”   A única coisa que importa é que estejamos a caminho.

 

Medite por Trinta Minutos
Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.


 
 
Comunidade Mundial de Meditação Cristã