WCCM

"Perdão e Compaixão"- Leitura de 24/06/2012
Laurence Freeman OSB, "Forgiveness and Compassion," ASPECTS OF LOVE (London: Arthur James, 1997), pgs. 72-74.

 

. . . .O perdão é um processo que nos leva às profundezas de nossa própria humanidade ferida, onde encontramos nosso verdadeiro ser.  O perdão só pode ser completo, quando for tão completo quanto o amor de Jesus por seus inimigos; e, isso só pode acontecer quando nos conhecermos de maneira tão integral, quanto ele se conhecia e, se amava.  O mesmo se aplica à maneira como amamos a humanidade.  Assim como, ao aprendermos a amar aos que nos são mais próximos, nos afastamos de nossas projeções positivas e fantasias, assim também, ao aprendermos a amar aos que nos são inimigos, nos afastamos de nossas projeções negativas.  Finalmente, ao aprendermos a amar a todos, precisamos nos afastar de nossas abstrações.  Precisamos nos afastar de nossa mente estatística, com a qual, frequentemente, tratamos o sofrimento alheio. . . . [Mas] aprender a amar a humanidade, significa ser capaz de tratar [qualquer] membro da humanidade, como um indivíduo único. [. . . .]


A única maneira de lidarmos com a complexidade das relações humanas é a simplicidade do amor.  No amor, não julgamos, não competimos; aceitamos, reverenciamos e, aprendemos a compaixão.  Ao aprendermos a amar aos outros, liberamos a felicidade interior de ser, que se irradia por nosso intermédio, tocando os outros através de nossos relacionamentos.  É por essa razão, que as comunidades, as famílias e, os casamentos, não existem apenas para aperfeiçoar as pessoas naqueles. . . relacionamentos.  Eles existem, também,  para irradiar amor. . . .além delas mesmas.


Essa era a visão que John Main tinha da comunidade humana, essa comunidade torna-se possível através do compromisso que cada um de nós assume, em solidão, com o mais profundo relacionamento de nossas vidas, que é nosso relacionamento com Deus.  É por isso que, ao aprendermos a amar aos outros, alcançamos uma nova compreensão da unidade da criação e, da simplicidade fundamental da vida.  Passamos a conhecer o que significa dizer que o amor compensa inúmeros pecados.  Perdão é o poder mais transformador e revolucionário, de que somos capazes.  Nos ensina que o amor é a dinâmica essencial de todo relacionamento, a mais íntima, a mais antagônica, assim como, a mais casual.  É o verdadeiro aspecto comum de nossa meditação diária, que nos revela quão universal é o caminho do amor

 

Medite por Trinta Minutos
Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.


 
 
Comunidade Mundial de Meditação Cristã