Dom John Main, OSB - WCCM
"Compromisso com a simplicidade" - Leitura de 25/05/2008
O Momento de Cristo (São Paulo: PAULUS, 1992) pgs. 47-51.
Tradução de Roldano Giuntoli
 

Você já deve ter ouvido dizer que “a meditação é o caminho para a realidade”. Primeiramente, ela é o caminho para a realidade de seu próprio ser. Por meio da meditação aprendemos a ser. Não apenas representar algum papel específico ou, uma coisa específica, mas, apenas ser. A melhor maneira de descrever esse ser, é dizer que estamos em um estado de absoluta simplicidade. Não estamos procurando atuar. Não procuramos pedir descuplas por quem somos ou, como somos.

Estamos, simplesmente, vivenciando as profundezas de nosso próprio ser, seguros e afirmados em nosso enraizamento na realidade.  A maioria de nós não está familiarizada com este ideal, pelo fato de termos sido treinados a pensar que apenas encontramos a verdade, em meio à complexidade.  Todavia, em um nível mais profundo, todos sabemos... que a verdade só pode ser encontrada na absoluta simplicidade, na receptividade.  A recordação da clareza de nossa visão na infância  deveria nos ensinar isso. Aquilo de que todos necessitamos, é o senso de maravilhamento da criança, a simples infantilidade, para nos curvarmos perante a magnificência da criação.

A simplicidade não é necessariamente fácil.  Uma das dificuldades, para as pessoas que desejam aprender a meditar, é apenas essa.  Elas perguntam: “O que é preciso fazer para meditar?” Ao receber a resposta de que você precisa se sentar imóvel e, precisa apenas aprender a repetir uma palavra ou uma curta frase, elas freqüentemente se escandalizam... Porém, esta é a essência da meditação, aprender a estar silente, aprender a estar imóvel e, aprender que a revelação nos chega, ao penetrarmos as raízes das coisas, as raízes silenciosas.

A meditação é uma maneira de rompermos a barreira do mundo de ilusões, para a pura luz da realidade.  A experiência da meditação é a de nos ancorarmos na verdade, no caminho e, na vida. Dentro da visão cristã, Jesus é essa âncora. Ele nos revela que Deus é o fundamento de nosso ser, que nenhum de nós tem qualquer existência independente Dele... A maioria de nós está dominada pela grande ilusão de que somos o centro do mundo e, que tudo e todos gravitam a nosso redor...

Porém, na meditação, aprendemos que isso não é verdade. A verdade é que Deus é o centro e, todos nós, somos, por dádiva Dele, por seu poder, por seu amor. [...] A meditação é o grande caminho de libertação. Somos libertados do passado... e, nos tornamos receptivos à nossa vida no momento presente... Aprendemos que somos, porque Deus é, [e esse] simples ‘ser’ é nossa maior dádiva.

Medite por Trinta Minutos
Sente-se confortavelmente, mas com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxado mas atento. Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a como quatro silabas de igual duração Ma-ra-na-tha, em ritmo lento. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense nem imagine nada - nem de ordem espiritual nem de qualquer outra ordem. Se pensamentos e imagens afluírem à mente, trate-os como distrações e simplesmente retorne à repetição da palavra.

Comunidade Mundial de Meditação Cristã