John Main OSB - WCCM
"Silêncio e Quietude em Todas as Estações do Ano" - Leitura de 26/12/2010
John Main OSB, THE PRESENT CHRIST (Darton, Longman and Todd, 1985).
Tradução de Roldano Giuntoli
 

À época natalina aguçamos nossa percepção da misteriosa mistura entre o que é comum e o que é sublime, na vida monástica e, na verdade, em toda vida que seja realmente cristã. No entanto, é importante que vejamos isso como uma mistura, e não como uma oposição.

Somos tentados a tratar o nascimento do Cristo como algo que se encontra romanticamente fora do significado completo de Sua vida, algo pré-cristão.  Nos ricos e belos relatos evangélicos de seu nascimento, podemos ser tentados a enxergar essa parte de Sua vida como sendo meramente consoladora ou idílica.  Todavia, trata-se de parte do mistério humano, o fato de que nada está fora do Mistério.  Por meio da Encarnação, Deus aceitou esse aspecto da condição humana e, assim, o nascimento e a infância de Cristo são parte do mistério de Sua vida: uma vida que culminou na cruz, alcançando sua transcendente finalidade na Ressurreição e na Ascensão.

Nossa meditação nos ensina o quão completamente todas as nossas partes precisam estar envolvidas na radical conversão de nossa vida.  Nos ensina que precisamos aplicar todo o nosso coração nesse trabalho do Espírito, caso desejemos responder ao chamado para sairmos do raso em direção às profundezas, conhecimento direto que marca uma vida vivida no mistério de Deus.  Então, todas as coisas em nossa vida adquirem essa dimensão de profundidade da Presença divina.  É tolice procurarmos pelos “sinais” no caminho, uma forma de materialismo espiritual que Jesus censurava, pois, caso estejamos no caminho, dentro da brilhante nuvem da presença de Deus, então, todas as coisas são sinais.  Todas as coisas intermediam o amor de Deus.

Medite por Trinta Minutos
Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxado, mas, atento. Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.

 
 
Comunidade Mundial de Meditação Cristã